५हჱ«══╬PATriciatu╬══»५हჱ

Só mais um site WordPress.com

Divina Comédia – O Inferno! 28 de junho de 2005

Filed under: Livros — patkovacs @ 6:09
 
 
Alguém por aí tem alguma tabela pra saber os estágios da loucura??
 
Minha viagem de ida e volta do trabalho leva duas horas e tento aproveitar da melhor maneira possível esse tempo disperdiçado, lendo. O livro desta semana (e que deve pegar a outra semana ainda) é a DIVINA COMÉDIA, de Dante Alighieri, um clássico da Literatura Universal escrito no séc XIV; trata-se de um imenso poema épico divido em 3 partes: Inferno (que está no livro que começo a ler), Purgatório e Paraíso. O livro é uma edição de 1991 da editora Villa Rica, traduzido do poeta Cristiano Martins (de Elegia de Abril) e trás 136 de belas ilustrações feitas a bico de pena por Gustave Doré, no séc XIX. Essa edição, em especial, foi escolhida para compôr as bibliotecas das escolas do Rio na gestão de Brizola.
A loucura, inicialmente dita, é que estou emocionada por finalmente ter a oportunidade de ler este livro (cheguei a sonhar com isso). Como comecei ontem, ainda estou na introdução, falando sobre a vida de Alighieri… isso é normal??
Mas nem tudo é perfeito! Não tenho a segunda parte de Divina Comédia!! Só descerei ao Inferno, mas não terei a oportunidade de redenção com o Purgatório de ascender ao Paraíso!!! Se vc conhecer algum cebo do Rio que tenha esse segundo livro, por Deus!, me avise!
 
Vou nessa, tenho que desconectar! 6:07h da manhã, hora de dar início da jornada do dia!
 
E obrigada pelo contato, Tom! Minha semana será mais legal por sua causa!
 
Abraços!
 
 

Museum Portfolium atualizado 25 de junho de 2005

Filed under: Desenhos — patkovacs @ 18:16

O meu site, Museum Portfolium, está atualizado – porém ainda sem novidades. Acontece que o site que eu tinha no iespaña foi detonado pelo host, então migrei minhas paradas de lá para o eterno (e até então fiel…) hpg. São meus mais recentes ravicos pintados em photoshop. Caso tenha alguma curiosidade de conferir – e não tem mais absolutamente nada de importante e melhor pra fazer na net, faça então um desastre da natureza feliz por alguns instantes visitando minha HP ):) e deixando um scrap no meu guestbook )):)

 

 

Gata abandonada em igreja 19 de junho de 2005

Filed under: Animais — patkovacs @ 8:39

Gata abandonada em igreja

Como bem diz "O hábito não faz o monge…"
Há cerca de 2 meses uma gata grávida foi abandonada no terreno do instituto são vicente de paulo, onde fica a igreja da medalha milagrosa (rua dr satamini, tijuca, rj). A gata teve suas crias e levou para o canteiro de obras da igreja (que está em restaurçao). Lá encontramos ela com os filhotes, num lugar bastante perigoso. Acabamos arranjando um cantinho pra ela e fomos cuidando, dando comida e água, até que a MALDITA madre do tal convento ("irmã chefe") ficou sabendo e mandou que os funcionários da igreja dessem um sumiço na gata! Os funcionários avisaram a gente e, na pressão, tivemos que dar um jeito; o jeito foi levarmos nós os filhotes para nossas casas, desmamando a força os pobres bichinhos (que já estavam com um mês). Infelizmente, por a mãe já ser uma gata adulta, não conseguimos levar (e eu até tentei…), apesar de dócil, ela se mostrou mto violenta quando foi colocada dentro do cesto para ser levada (provavelmente trauma por já ter passado por algo sememlhante, quando foi abandonada). Ela sofreu bastante pela separação dos filhotes, mas ainda continuei cuidando dela, alimentando-a e na esperança que ela prórpria encontrasse o seu rumo (e viver pelos terrenos da igreja, que é quase um parque), mas num final de semana ela desapareceu e nunca mais foi vista (e a ração que havia deixado para ela passar o findi nem foi tocada – isso já deve ter mais de 1 mes). Nesta semana, conversando com um dos vigias da igreja, um homem bom que se compadesse com esse tipo de coisa, acabou me contando o que havia acontecido quando a Irmã chefe (do diabo!!!) descobriu que tinha uma gata com filhotes ali na igreja: a velha desgraçada reuniu seus funcionários para falar sobre isso e mandou que eles se livrassem da gata (a mulher ficou histérica – segundo um fachineiro de lá, que se propos a cuidar da gata se ela ficasse na igreja, disse que a velha detesta gatos); um dos funcionários perguntou, só de sacanagem, se poderia matar a gata o espanto de todos foi ouvir com toda a convicção a madre dizer que matasse mesmo, mas que se livrasse da gata e dos filhotes! Eles haviam alertado sobre a madre mandar se livrar dos gatos, mas ninguém fez nenhum mal a eles enquanto ainda estavam por lá, o problema veio depois de 2 semanas que os filhotes foram levados, e a gata desapareceu. Não sei dizer se mataram a gata e – msm com td meu pessimismo – quero acreditar que levaram ela pra outro lugar (talvez até mesmo pra outro ponto do terreno, longe da igreja e do convento). O vigia que citei antes tb não sabe o que aconteceu (talvez se a gata tivesse sido morta eu já teria sabido faz tempo pois, como se diz, noticia ruim chega rápido).
Vamos resumir tudo isso:
Quem veste o hábito não se faz monge; e "servir a deus" não significa bondade! Aquelas vagabundas que se dizem servas de deus e "irmãs de caridades" são vis, arrogantes e crueis! E vendo por esse lado a gente percebe mtas outras coisas: apesar de ser um terreno imenso esse do instituo s vicente de paulo (que abriga duas igrejas, convento, creche e hospital) não se ve por lá pombos! Nem pardais! Uma ou outra rolinha de vez em quando! e os raros gatos que se veem por lá, sao os que são abandonados, mas logo desaparecem das vistas! Cães, nem se o diga, nem sombra nem cheiro (ao menos é fácil impedir a entrada de cães, mas os gatos que são abandonados, qual o destinos deles?)
Eu juro que fiz td que pude, tentei até levar a gata para a suipa, e iria de metro, mas foi impossivel chegar a esquina ! Ingenuinamente pensei que ela poderia viver bem naquele lugar, não imaginei que alguem que devotou a sua vida à religião chegasse a ponto tão baixo (enquanto nós, rudes peões de obra, tratamos com tanto carinho a gata e os filhotes, ficando até um filhote pra cada um – até o patrão nosso ajudou na alimentação!), mesmo assim me sinto culpada por não ter feito o impossivel!
Generalizando, eu odeio religiosos!!!